sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Programa

Assista o clipe do programa Bem Viver


video

Drink para o verão!

Aprenda a fazer um prático e delicioso Drink
video

ESTRIAS !? SAIBA COMO PREVENÍ-LAS


As estrias caracterizam-se por um rompimento das fibras elásticas que sustentam a camada intermediária da pele, formada por colágeno e latina (responsáveis pela sua elasticidade e tonicidade).

As estrias afetam homens, mulheres em idade adulta ou durante a adolescência, mulheres no transcorrer da gestação, e até mesmo crianças não escapam das estrias. As estrias geralmente são comuns nas mamas, quadris, culotes, coxas e bumbum. As estrias são atrofias lineares formadas pelo rompimento das fibras elásticas e comprometimento do colágeno resultantes de um estresse mecânico(estiramento) ou estresse fisiológico (estímulo hormonal). As fibras rompidas são inundadas de sangue, formando uma lesão que se reflete na pele como minicicatrizes avermelhadas que com o passar do tempo vão adquirindo uma coloração esbranquiçada.

Quais as causas das estrias?

São inúmeras as causas que levam a formação das estrias, sendo eles obesidade, qualidade do tecido conjuntivo, crescimento repentino, hereditariedade, alterações hormonais e gravidez. A seguir veremos de forma mais detalhada as possíveis causas do surgimento das estrias.

1. Produção hormonal: o aumento na produção do hormônio estrógeno na puberdade e na gravidez, sendo que na gravidez este fenômeno é agravado pelo estiramento da pele. Quando por exemplo a gestação ocorre durante a fase da puberdade, onde estes dois fatores (hormônios mais estiramento da pele) ocorrem de forma congruente, torna-se quase inevitável o surgimento de estrias, por isto nestes casos a prevenção precisa ser redobrada.
2. Uso de medicamentos: o uso de medicamentos que alteram a hidratação normal da pele, como no caso dos corticóides de via oral ou aplicação tópica prolongada. Os corticóides aumentam a retenção de líquidos, ocasionando a formação de edemas pelo corpo o que leva a uma diminuição da elasticidade da pele e conseqüentemente torna-a mais propensa ao estiramento das fibras elásticas.
3. Crescimento acelerado: o estiramento da pele também pode ocorrer devido ao crescimento acelerado entre os 12 e 16 anos. É muito comum nesta fase observarmos o franco surgimento de estrias nas costas, panturrilhas, braços e pernas dos adolescentes.
4. Efeito sanfona: emagrecer e engordar repetidas vezes causa um estiramento excessivo da pele e muitas vezes a pele não resiste ocasionando o surgimento das estrias.
5. Predisposição genética: caso sua avó ou sua mãe tiveram estrias, você tem uma grande probabilidade de tê-las, pois certamente é uma característica genética a nível do tecido. 6. Esforço excessivo para ganhar massa muscular: não é raro observar praticantes de atividade física com diversas estrias espalhadas pelo corpo. Muitas vezes a alimentação inadequada, associada a uma atividade física intensa para ganho de massa muscular podem levar ao surgimento de estrias na pele.

Quais os tipos de estrias?

Existem vários estágios no processo de formação das estrias. Em um estágio inicial as estrias são de cor rosada. Nesta fase, o tratamento pode atingir até 100% de resultados, pois o tecido tem ainda uma enorme capacidade regenerativa.

Com o tempo as estrias começam a alongar-se e tornam-se arroxeadas. Neste estágio a chance de sucesso no tratamento diminui, mas ainda é significativa.Quando as estrias assumem um tom branco-nacarado elas já estão mais largas, têm de 2mm a 4 mm. São as mais difíceis de tratar.

Como prevenir as estrias?

Diz um ditado popular que: “Prevenir é o melhor remédio”. Seguir este ensinamento certamente é o melhor tratamento quando falamos sobre estrias.

Existem duas maneiras básicas e simples de prevenir o surgimento das estrias. A primeira maneira de prevenção e de tratamento de estrias refere-se ao hábito de hidratar a pele diariamente. A segunda maneira, não menos importante está relacionada a bons hábitos alimentares.

O primeiro cuidado que precisamos ter para prevenir o surgimento de estrias refere-se ao hábito de hidratar a pele diariamente. Se você tem uma tendência a ter estrias é necessário que este hábito se transforme em um ritual diário. Utilizar bons cremes com bases hidratantes, ricos em colágeno, elastina, óleos vegetais e outros agentes hidratadores é essencial à saúde da pele e certamente lhe garantirá excelentes resultados.

Os hábitos alimentares, garantem ao nosso organismo a capacidade de renovação celular e conseqüentemente favorece ao surgimento de um tecido mais firme e de maior qualidade que suporte às oscilações de peso, alterações hormonais dificultando desta forma o surgimento de estrias.Uma alimentação de qualidade para prevenção de estrias dever ser composta minimamente de dois compostos. O primeiro deles é o COLÁGENO e o segundo seria a VITAMINA C. as razões para que a alimentação seja rica em colágeno são mais do que evidentes, pois quando falamos em estrias o colágeno é praticamente um sinônimo. O colágeno garante a nossa pele a elasticidade natural o que não permite o estiramento da mesma e conseqüentemente não permite a formação das estrias. O colágeno deve ser consumido diariamente (duas a três vezes) ao dia, de modo que forneça um aporte necessário ao nosso organismo. O colágeno serve não somente para a prevenção de estrias, como também deve ser consumido mediante o tratamento de estrias quando ( peelings), de modo que a renovação das fibras colágenas da pele sejam mais rapidamente reestruturadas.

Atualmente, temos a disposição para o mercado consumidor o colágeno hidrolisado que é um excelente produto capaz de suprir as necessidades diárias de colágeno.

Em relação a vitamina C, não podemos deixar de falar a respeito dela, tendo em vista que a vitamina C é indispensável para a síntese de fibras colágenas da pele. Para se obter a síntese de colágeno endógeno precisamos incorporar o hábito de ingerir vitamina C diariamente. A vitamina C, juntamente coma ingestão de colágeno garantem a nossa pele o viço necessário para prevenção das estrias.

MODA ÍNTIMA

Antes do século XIX, a roupa de baixo era apenas um camisão largo e algum tipo de calção. Feita para não ser vista por ninguém a não ser o usuário, a peça de baixo tinha pouca importância. Os historiadores da moda registram uma grande mudança nas roupas de baixo por volta de 1830. Elas tornaram-se mais pesadas, mais compridas, e praticamente obrigatórias. Não usar roupa de baixo significava falta de asseio. Os médicos também alertavam sobre os perigos de ficar com o "corpo resfriado".Em1860, as roupas de baixo das mulheres começaram a ganhar sensualidade e, vinte anos depois, a seda conquistou seu espaço.


Apesar de existirem referências a tipos de sutiãs, que modelavam os seios sem cobri-los, na ilha grega de Creta, em 2500 a.C., os méritos da invenção ficaram para a francesa Herminie Cadolle. Em 1889, essa fabricante de roupas resolveu rasgar o espartilho (descendente do corpete, criado no século XV) ao meio e criou a peça. Somente em 1913 a socialite americana Mary Phelps Jacobs (pseudônimo de Caresse Crosby) aperfeiçoou o modelo, usando dois lenços, um pedaço de fita cor-de-rosa e um pouco de cordão, tornando-o mais próximo do que ele é hoje. Mary vendeu o seu "sutiã sem costas" a uma fábrica de roupas femininas, controlada pelos irmãos Warner, por 15 mil dólares. Os Warner lançaram ainda cinta-calças (1932), sutiãs em forma de taça (1935) e collants de lycra (1961).